Trata-se de um objeto que tem a forma de uma placa sinalizadora de porta de banheiro, cuja finalidade é avisar se o local está sendo usado ou não.

Ao deslocar tal artefato de seu uso original, o trabalho ganha a intensão de questionar sobre o que é estar ocupado e/ou desocupado.

Pode-se entender esta dicotomia como polarizadora de dois conceitos antípodas, como bem e mal, certo e errado, mas que no objeto fazem parte de um corpo só. É como dizer que a luz não existe sem a sombra, que a sanidade precisa da loucura. Tudo está em relação. É também uma alusão à fábula da cigarra e da formiga, o que é trabalhar ou não?

O material escolhido para a confecção do trabalho é o bronze, que traz consigo uma aura de importância, mas o objeto eleito é uma placa de banheiro, então a solenidade é extinta.

Antípoda