A instalação Nado é constituída por azulejos feitos em gesso, contendo passos de coreografias de nadadoras de nado sincronizado. A montagem alude a um fundo de piscina, metonimicamente. É uma transmutação de conteúdo pelo continente, pois as nadadoras que deveriam estar na piscina, são parte dela. O interesse da artista por nado sincronizado já apareceu em outras obras e se deve a certa inquietação a respeito da padronização que temos experimentado em nossa sociedade. A ideia de que temos modelos a seguir desde a infância, de não ser estimulada a individualidade, ao díspar, ao desafinado e sim ao uniforme, ao regular, ao monocórdico.

O fato de serem feitos de azulejo gera uma sensação de fragilidade à obra. Ela é mostrada incompleta, é montado apenas um canto da sala, mas por sugestão, entendemos que a piscina   cobriria a galeria toda onde a obra é exposta, o que empresta um caráter metalinguístico ao trabalho.

Nado #2